SEXUALIDADE E mATERNIDADE

SEXUALIDADE E MATERNIDADE

O que pensar neste mês tão lindo, que além de ser das noivas, maio é o mês das mães. Nesta época em que somos levados a sermos escravas do corpo! Quantas técnicas re embelezamento e rejuvenescimento são prometidas para a maioria das mulheres!

Vamos pensar naquela mulher que sempre teve um belo corpo, com ótimas medidas, sem celulite ou estrias, e se descobre grávida? Que lindo! Um novo ser vem aí! Como pensar também em sua sexualidade? Será possível manter corpo, mente e espírito em harmonia? Quanto a felicidade do saber-se grávida pode pesar mais do que as dúvidas de “como ficará meu corpo?”. “Será que meu parceiro ainda vai me querer após as deformações que ocorrem com a gravidez? Os dilemas da gravidez!

Então vêm as tensões familiares, as disputas dos avós, talvez o comprometimento da carreira ... O peso do corpo, o medo das novas responsabilidades: “terei capacidade de educar esse novo ser? Serei ainda a mesma mulher?”

Então é chegado o dia desse novo ser chegar: “que lindo o nosso bebe!”. Ao chegar em casa ele chora, faz xixi, cocô, e a mãe se desdobra nos cuidados com tudo isso, sem falar na amamentação a cada 2-3 horas. O pediatra diz: “tem que mamar quando quiser” – (seria interessante eles amamentarem 1 só vez para sentir)... Sabe aquela mulher-polvo?

Como fica o parceiro nisso tudo? É claro que existe pai presente, mas, ao mesmo tempo, pode portar-se como menino inseguro, com ciúmes do bebê. Essa é a fase em que a sexualidade é naturalmente arquivada, para depois voltar. É difícil o casal conseguir manter um clima erótico nesses primeiros 6 meses, quando a mulher está mais sensível, cheira a leite e acorda a cada 3 horas para amamentar.

Se acontecer de um dos parceiros sentir-se lesado, prejudicado, o relacionamento entra em conflito. Começa a haver a reclamação de que há mais carinho para o bebê. Ou o homem decide que também vai dar um tempo. Um esquece do outro. Às vezes existe aquele pai que pensa em sua parceira como a santa mãe de seu bebê, perdendo muito a libido.

Por isso, não esperem muito para”retornarem à sua vida sexual normal” de antes do bebê nascer. E, se sentirem que não está como antes, e o relacionamento esfriou, está na hora de buscar ajuda. Um profissional especializado em terapia sexual, médico ou psicólogo, pode ajudar muito a que vocês re-encontrem o equilíbrio emocional para viver novamente uma vida sexual prazerosa.

Sylvia Faria Marzano – urologista e terapeuta sexual